Método de gestão ajuda no enfrentamento à crise do Covid-19 dentro do Hospital do Câncer de Londrina

O Hospital do Câncer de Londrina tornou-se referência nacional, sendo modelo para diversos hospitais em todo o Brasil graças ao plano de contingência e gestão de crise adotado pela instituição


Março de 2020 marcou para sempre a vida dos brasileiros. Ninguém esperava, mas ele chegou sem perdoar: era o novo coronavírus. Ninguém imaginava que aniversários, casamentos e comemorações não poderiam mais acontecer como normalmente aconteciam. Ninguém imaginava que escolas e igrejas seriam fechadas. Ninguém acreditaria se alguém dissesse que um vírus dominaria o mundo em pouco tempo e espalharia o caos e a desordem por todo o planeta.

A crise chegou, o desemprego se alastrou. Pessoas não sabiam o que fazer, não tinham o que comer. Familiares e amigos morrendo sem saber o por quê. Pesquisadores de todo o mundo em busca de uma solução, de um remédio, uma vacina. Todos sem reação, sem saber o que fazer ou para onde correr. A solução era se adaptar aos novos costumes e à nova rotina.

Nos hospitais não foi diferente. Não demorou para perceber que a maioria dos países não estava preparado para enfrentar pandemia de tal proporção. Mas, o Hospital do Câncer de Londrina sabia que a aplicação do Método 4 Leis teria um impacto importantíssimo no enfrentamento à Covid-19. E eu explico tudo isso agora.

Como o Hospital do Câncer de Londrina está enfrentando o novo Coronavírus

Desde o final de março deste ano, quando os casos da doença começaram a tomar uma proporção maior na cidade de Londrina e em toda a região, o Hospital do Câncer de Londrina tomou medidas drásticas para conter a chegada e disseminação da Covid-19 entre funcionários e pacientes. “Diversas ações foram tomadas e o Método 4 Leis, do Instituto Brasileiro de Gestão e Liderança, que já era utilizado pela Instituição, foi fundamental também neste momento de crise e pandemia”, diz Ademir Cirino Filho, Gerente de Projetos do HCL.

Dentro dessas ações, o Hospital precisou ampliar seu quadro de funcionários para 1.100 colaboradores contando também com a contratação de 2 novas equipes médicas de plantonistas, devido às frequentes suspeitas e consequente afastamento dos profissionais dentro da Instituição.

Visitas e acompanhantes passaram a funcionar de forma restrita. Apenas casos específicos foram permitidos. Cirurgias eletivas foram suspensas, consultas e procedimentos não-urgentes reagendados. Em todas as portas do Hospital pode-se encontrar métodos de triagem para conter aglomerações e possível entrada de pessoas infectadas. Além disso, unidades de isolamentos foram criadas para aqueles pacientes que apresentaram suspeita de Covid, dentre elas uma UTI com 8 leitos especiais.

“Não é fácil implantar um projeto desse dentro do Hospital, mas com a capacidade que tem o Fabiano, a experiência que ele já tem, está indo muito bem, está sendo muito bem implantado e está sendo muito útil para o Hospital”, afirma Francisco Ontivero, presidente do Hospital do Câncer de Londrina.


Implantação do Método 4 Leis

“Uma instituição como essa, que tem um grau de complexidade muito alto, você tem desafios médicos, você tem desafios de gestão, você tem desafio de processos e protocolos”, diz o CEO e fundador do Instituto Brasileiro de Gestão e Liderança, o IBGL, Fabiano Zanzin. Mais de 15 anos de experiência fizeram Zanzin desenvolver seu próprio método de execução de estratégias dentro das empresas, o Método 4 Leis.

Reconhecido no Brasil e nos Estados Unidos, o Método tem o objetivo de tirar metas do papel e fazer com que você e sua empresa deem um passo à frente. Uma vez implantado dentro do HCL, a ferramenta de gestão auxiliaria no combate à pandemia do novo coronavírus de forma eficaz e, além disso, faria com que a instituição se tornasse referência nacional para diversos hospitais graças ao plano de contingência e gestão de crise.

“Ele foi a base de todo o trabalho, ele serviu para estarmos em contato ativamente, todos os dias de forma muito intensa e que, se não estivéssemos voltados para a mesma ideia e se não tivéssemos conversado sobre tudo isso desde o início, talvez as pessoas não saberiam o que fazer em cada momento”, afirma a doutora Jamile Sardi, médica coordenadora da ala de infectologia do Hospital do Câncer, se referindo a nova rotina dentro do trabalho.

Uma das vertentes do Método 4 Leis foi intensificada dentro da instituição: a lei fundamental número 4 que, resumidamente, ajuda a manter a equipe alinhada, corrigindo a rota traçada, se preciso, fazendo pausas estratégicas para isso. “Em momentos de crise foi essencial para tomadas de decisões. Chegamos a fazer reuniões diárias durante algumas semanas para passar aquela crise principal no início da Covid”, diz Ubirajara Zaneti, Controller do Hospital.

Para Cirino, a estratégia estabelecida com a ajuda do Método 4 Leis foi imprescindível para o sucesso das ações de contingenciamento e da não propagação do coronavírus na Instituição. Serviu também para tornar as reuniões de comitês mais dinâmicas e efetivas, trazendo organização e clareza nas ações e compromissos de cada integrante. Isso tudo possibilitou uma gestão integrada unindo todas as áreas envolvidas: médicos, setor administrativo, atendimento ao público e assim por diante.

Sardi ainda ressalta a importância da aplicação da metodologia dentro da rotina de trabalho. “Quando a gente trabalha com saúde as coisas são muito intensas”, explica. Diz também que sem organização, o dia a dia dentro do HCL acabaria corroendo todo o planejamento.”

Um por todos, todos por um

Fazer com que os colaboradores sintam-se pertencentes à execução das Leis é essencial. A interação entre as equipes e o diálogo interpessoal demonstra uma maior facilidade para lidar com os problemas. Sentar diariamente para rever as metas e corrigir a rota adotada faz parte do processo de conquista. “E foi essa rotina que nós já tínhamos, de fazer reuniões, que permitiu e que fez com que o Hospital do Câncer passasse essa crise mais forte e muito próximos, graças às reuniões de comitê”, conta Zaneti.

O método, entre outras vertentes, mostra as possibilidades que a empresa tem de crescer organizadamente, com processos de qualidade, com gestão de pessoas, de equipes e também de tempo. E faz com que a empresa veja, dentro de seus processos diários, quais as diretrizes necessárias para chegar ao objetivo estabelecido.

Durante mais de 90 dias o HCL ficou totalmente livre do coronavírus, sendo que nenhum paciente ou colaborador foi diagnosticado com a doença, mesmo nos períodos mais críticos em Londrina e Região. “É uma grata satisfação saber que o Método 4 Leis tem contribuído para a melhora da eficiência da gestão e para a melhora do trabalho em equipe e, principalmente, a gente acredita que é a gestão a serviço da vida”, comenta Zanzin.

Sobre o Método 4 Leis

O Método 4 Leis consiste em auxiliar empresas e pessoas a tirarem suas metas do papel e colocarem-nas em prática de forma estratégica e estruturada. Com a ajuda de 4 Leis fundamentais criadas pelo Fabiano Zanzin, que é CEO e fundador do Instituto Brasileiro de Gestão e Liderança, a gestão empresarial se torna mais fácil e o alcance de sonhos, mais real.

Planejamentos, estratégias, gestão, estruturação e ação são pilares essenciais para se obter o que deseja. O Método nos dá um norte e nos ajuda também a responder questões que nos rodeiam no dia a dia como: por que os planejamentos estratégicos falham? Essa é uma das respostas dada pelo autor do livro que, descobriu ao longo de mais de 15 anos de trabalho, fatores fundamentais para tirar seus sonhos e metas do papel.

As leis são:

● Lei número 1: Foque na meta fundamental global;

● Lei número 2: Atue nas ações de alto impacto;

● Lei número 3: Indicadores de desempenho;

● Lei número 4: Corrigindo a rota.

A aplicação e correção dos métodos traçados semanalmente são fundamentais para o sucesso de sua conquista. E foi dessa forma que o Hospital do Câncer de Londrina conseguiu enfrentar a pandemia da COVID-19 de forma gloriosa.

Gostou do Método 4 Leis? Saiba mais clicando aqui.

Siga o IBGL nas redes sociais @ibglbrasil